Shoe Committee

Portugueses

Calçado português valorizado em prova cega por compradores internacionais

PortuguesesCelia VenturaComment
1.jpg

Dezenas de compradores avaliaram, em prova cega, a qualidade do calçado de vários países: no final, valorizaram em 28% o calçado “made in Portugal”.

A imagem internacional do calçado português foi, mais uma vez, objeto de estudo na feira internacional de calçado MICAM, que decorreu em Milão, em fevereiro deste ano. Uma equipa da Católica Porto Business School deslocou-se a Milão para avaliar o contributo das ações de comunicação da APICCAPS para os ganhos de imagem do calçado português, a influência do país de origem na perceção de valor que os clientes estrangeiros têm do calçado português e ainda para identificar drivers de melhoria contínua para o setor.
Estes dados são, na ótica da APICCAPS, o resultado de décadas de investimento em promoção comercial externa, desde logo por parte das empresas, mas igualmente fruto da aposta institucional na melhoria da imagem colectiva do setor. Recorde-se que, em 2009, a Associação lançou uma campanha de imagem, com o objetivo de melhorar a imagem coletiva do calçado português e das suas empresas. Dez anos volvidos, as exportações do setor cresceram cerca de 50% (passaram de 1200 milhões de euros para mais de 1900 milhões no final do ano passado) e, no cluster, foram criados mais de 11 mil postos de trabalho.

De acordo com o Presidente da República as campanhas “foram arrojadas e mostraram ao mundo o que produzimos e fazemos de melhor, com qualidade, inovação e diferenciação. E quem compra sapatos portugueses reconhece e percebe essa energia nova dos empreendedores portugueses — que a campanha que dura há uma década ajudou a tornar visível”. Já o Primeiro-Ministro considerou que se trata de uma indústria que “que se soube reinventar, juntando a inovação produtiva ao design, a qualidade do produto à promoção externa”.

2.jpg

Alameda Turquesa

PortuguesesCelia VenturaComment
IMG_2552.PNG

Alameda Turquesa é uma marca portuguesa de duas mulheres bem criativas. Conchas, pérolas, e couro são os principais materiais ou adornos utilizados. As sandálias são TODAS maravilhosas e o impossível é escolher, mas também produzem, carteiras e bijuteria com os mesmos materiais. Aqui fica um bocadinho…

IMG_2555.PNG
IMG_2562.PNG
IMG_2556.PNG
IMG_2560.PNG
IMG_2558.PNG
IMG_2554.PNG

As portuguesas

PortuguesesCelia VenturaComment
city-collection6.jpg

Depois dos chinelos feitos em cortiça, é agora a vez da As portuguesas produzir sapatos com o mesmo princípio. Defensores da não utilização do plástico, e da utilização da nossa cortiça para produção de solas, esta marca portuguesa expande o seu mercado para a criação de modelos bem urbanos de calçado fechado. Ora vejam!

45.png
59153017_2248839595379847_500430652819111936_n.png
caio-collection2.jpg

Shoes FW19 no Portugal Fashion

PortuguesesCelia VenturaComment
Fly_London_2023910.jpg

O desfile Shoes FW19 que decorreu, no último Portugal Fashion apresentou as propostas de calçado de algumas marcas nacionais.

Ambitious, Fly London, Gladz, J Reinaldo, Lemon Jelly, Nobrand e The Baron’s Cage apresentaram as últimas tendências femininas e masculinas, cruzando formatos, cores e materiais sempre inovadores. 

Uma indústria jovem, moderna e sexy, voltada para o futuro, que alia a tradição às tecnologias de ponta, o saber-fazer a um design vanguardista: a indústria portuguesa de calçado está em permanente evolução. Os sapatos portugueses chegam, atualmente, a 152 países, nos cinco continentes.

Gladz

Gladz

Lemon Jelly

Lemon Jelly

J. Reinaldo

J. Reinaldo

Propostas masculinas

Ambitious

Ambitious

Fly London

Fly London

J. Reinaldo

J. Reinaldo

Nobrand

Nobrand

The Barons Cage

The Barons Cage



Algae Collection I

PortuguesesCelia VenturaComment
Balluta_CyanoBlack_SS19.png

A marca portuguesa Ballūta apresenta Algae Collection I como a sua terceira colecção e o primeiro passo para uma abordagem trans-sazonal e mais sustentável ao design.

Inspirada nas origens da vida, a Algae Collection convida-nos a olhar para o nosso passado para redescobrir infinitas possibilidades para o futuro. A inspiração aquática revela-se através de contornos botânicos, acabamentos em verniz e saltos marmoreados cuja sensação orgânica é equilibrada pelo contraste com o forro branco e as solas robustas que acrescentam natureza urbana a um design conceptual.

Desenhada e produzida em Portugal, um país reconhecido pelo seu calçado de alta qualidade, a marca continua a beneficiar da experiência de um grupo de artesãos qualificados, utilizando técnicas tradicionais e materiais ecológicos vegan de excelência, incluindo o da gáspea, criado a partir de poliéster reciclado.

Balluta_ChromistaYellow_SS19.png

 Algae Collection I: shoes for thought

A colecção é composta por 3 designs - Cyano, Chromista e Rhizaria - e cada um deles estará disponível em duas cores distintas. Os nomes dos modelos foram inspirados pela diversidade de organismos denominados Algas: desde diatomáceas unicelulares a algas gigantes.

Com esta coleção “o nosso objetivo era refletir sobre uma das questões mais urgentes de hoje - a da contaminação dos oceanos com plástico - mas, simultaneamente, enaltecer a extraordinária capacidade de regeneração da Natureza através de um foco nas algas e no seu potencial multifacetado: ao absorver CO2 , controlando a poluição, ao agir como fertilizante, como fonte de energia e também pelo seu valor nutricional ”, afirma a fundadora e diretora criativa da Ballūta, Catarina Pedroso.

 Os preços de venda ao público variam entre €375 e €455, e estão disponíveis na Nude Fahion Store (PT), Fair Bazaar (PT), The Wearness (DE) e em www.balluta-shoes.com.

Balluta_RhizariaWhite_SS19.png
Balluta_SS19_algaecollection_CYANO.jpg
Balluta_SS19_algaecollection_RHIZARIA.jpg